Ações ambientais trazem aves e mamíferos de volta para as matas da fazenda e de Aiuruoca

Compartilhe

Nosso projeto de reflorestamento trouxe os pássaros de volta para o céu de Aiuruoca, incluindo o papagaio-do-peito-roxo, que dá nome à cidade e está ameaçado de extinção. Agora estamos presenciando o retorno de mamíferos.

Recentemente, encontramos pegadas de onça-parda nas matas da fazenda, o que indica que mamíferos também estão voltando a habitar essa região da Mata Atlântica (ninguém precisa ter medo, já que o animal tem hábitos noturnos!). É uma prova que nossas esforços de restaurar a natureza estão dando certo, e as florestas estão saudáveis.

Começamos o plantio de árvores nativas há 20 anos. O resultado é que quase metade da fazenda, equivalente a 46 hectares, já está certificada e tombada como Reserva Particular de Patrimônio Natural (RPPN).

Investimos em várias outras iniciativas aqui na propriedade, para proteger e conservar nosso imenso cantinho verde. Compartilhamos mais alguns na sequência e esperamos inspirar outras ações ambientais Brasil afora.

Preservação de minas e nascentes de água

Grande parte do reflorestamento foi feito para garantir que as nascentes e os rios da fazenda tenham vida longa. Além disso, organizamos mutirões de limpeza periódicos para inspecionar todas as áreas e garantir que não há resíduos impróprios. Assim, as minas brotam cada vez mais água.

Uso consciente de produtos industriais

Priorizamos o uso da calda bordalesa, um fungicida natural livre de produtos sintéticos. Quando necessário algum outro tipo de técnica para repor nutrientes de forma rápida, aplicamos apenas produtos com “rótulo azul”, que não causam danos ambientais. Mas o olival parece estar integrado ao meio ambiente. Durante todo o ano passado, não aplicamos nenhum tipo de produto nas oliveiras.

Reciclagem de resíduos da extração do azeite

A extração do óleo das azeitonas gera o azeite – e também o bagaço do fruto, conhecido como borra ou sansa. O que fazer com essa pasta que pode chegar a toneladas? Separamos todo esse resíduo em um local específico para compostagem e adicionamos calcário e outros ingredientes, para reduzir sua acidez.

Depois de 60 dias, a matéria orgânica está pronta para virar adubo das próprias oliveiras e de outros plantios na fazenda. Essa é uma responsabilidade de todo olivicultor. Se a pasta ácida da azeitona vai direto para o solo, o impacto negativo para o solo e o meio ambiente é grande.

Geração de energia solar

Há quatro anos, começamos um projeto experimental de geração de energia solar fotovoltaica para abastecer uma unidade leiteira. As placas geram 16kVA por dia, sendo suficiente para ligar as máquinas de moagem de capim e a ordenha das vacas. Considerada uma das fontes de energia renovável mais importantes do mundo, a energia solar tem baixo impacto ambiental.

E agora entramos na melhor época do ano para esse projeto, resultado da combinação de ausência de chuva e abundância de sol durante o inverno.


Compartilhe
No Comments

Post A Comment